Revendo a Religião

16/04/2010

Ser Cristão

Liberdade. Esse belo vocábulo é mais do que um agrupamento de letras, é uma filosofia de vida. O embrião da humanidade teve sua história primitiva baseada na liberdade, embora com o decorrer dos anos, o conceito intrínseco na palavra veio sendo diminuído até assumir a mínima proporção de ideal inalcançável. Embora a liberdade possa ser considerada por muitos um devaneio utópico, consegue ainda se fazer presente em uma das principais escolhas que o homem pode realizar durante seu período de existência: pode-se escolher continuar livre ou condenar-se por opção.

A lógica irrefutável fornece um caminho único, reto, plano, sem contradições, uma viagem confortável ao interior da mente humana para podermos localizar a essência do homem e dela obter as respostas às perguntas que frequentemente não temos paciência para responder. No interior da mente humana podemos encontrar a resposta para tudo aquilo que nos cerca, desde que tenhamos a placidez de exercitar a habilidade do questionamento. Assim funciona a ciência, onde não se tem a resposta de tudo, mas constantemente há a procura para preencher essas lacunas.

Somos seres privilegiados, mas devemos fazer por merecer esse privilégio. Exercitamos esse dom quando (more…)

05/04/2010

A (Verdadeira) Face de Cristo

Novas discussões acerca da legitimidade do Santo Sudário estão sendo erigidas. Recentes recursos tecnológicos buscam esculpir virtualmente a face daquele que muitos crêem ser o procurador terreno do todo-poderoso homem invisível, o messias que veio à Terra com o santo intuito de abocanhar mentes inertes para alicerçar o início de um império repugnante, desprezível, execrável.

O Santo Sudário, que não passa de um artefato fabricado pela própria igreja na Idade Média, pincela falsamente sobre um rico tecido de seda (ora, vejam, um pobre pregador, que renegou quaisquer riquezas, teve como última vestimenta um lençol do mais rebuscado tecido disponível!) os rascunhos de um homem que traria mais paz à humanidade se tivesse encarcerado seus ideais egoístas em sua mente perversa. As palavras proferidas por esse (more…)

03/11/2009

Dos Dogmas Sobre Deus (Parte Final)

Deus é Eterno

“Deus não tem princípio nem fim”

Lendo-se o dicionário Houaiss, pode-se ter como uma das definições do vocábulo “invenção” o seguinte: “coisa imaginada que se dá como verdadeira; invencionice, fantasia”. Uma invenção, seguindo-se o contexto, é uma ideia fabricada, elaborada por uma mente realmente dotada de grande capacidade de abstração, mas que, como o próprio conceito diz, não passa de uma fantasia.

Assim é a invenção de Deus.

Deus não existe. Nunca existiu. Como algo que nunca foi de fato concebido pode ter princípio ou fim? A ideia é paulatinamente inconcebível! Deus passa a não apresentar limites devido a um pensamento estratégico da Igreja. Se houvesse uma limitação do poder ou da amplitude de Deus, nada mais poderia ser a ele atribuído. Para se alterar um plano fechado, um conceito com delimitações definidas, é necessário fazer intervenções, e, indubitalvemente, intervenções acabam criando inquirições de pessoas contrárias a tais atos! Se Deus fosse limitado, e a Igreja posteriormente quisesse ampliar sua magnitude, perguntas seriam levantadas, havendo um risco iminente de diminuição de credibilidade.

Para evitar altercações, a Igreja simplesmente retirou quaisquer limites de Deus: o homem-invisível passa a ser o tudo e o nada, o céu e a terra, o começo e o fim. Assim, tudo pode ser atribuído a Deus. Excluindo-se limites, Deus pode ser encontrado na cura milagrosa do câncer e também no crescimento magnífico da flor do campo, no nascimento de um novo ser e na formação de figuras curiosas nas nuvens, no calor do centro da Terra e na ausência de oxigênio em outros planetas. Deus passa a ter valores conflitantes, controversos, pleiteando o direito de ser tudo e nada simultaneamente! Colocando-se Deus em todo e qualquer lugar, perguntas são silenciadas, o poder de controle sobre o povo torna-se mais fácil e a prosperidade da Igreja segue sempre a pleno vapor.

Deus, de fato, não pode ter princípio nem fim. Deus é uma lenda, uma criação, um produto de um pré-consciente fantasioso, imaginativo. O homem-invisível é (more…)

15/05/2008

O Novo (Anti) Cristo

Um questionamento despontou em minha mente: se Jesus Cristo, pregador afincado, exímio político e controlador de grandes massas populacionais submissas de fato existiu, é aceitável que em mais de dois mil anos algum outro pregador conseguiria reunir características semelhantes, ou até mesmo, de certo modo, superiores.

Então, quem seria esse novo messias, essa nova criatura tocada pelo homem-invisível? Um papa, um pastor, talvez um missionário ou um novo santo?

Não, nenhum desses.

Certamente, qualquer cristão encontraria uma (falsa) dificuldade em achar um substituto para o “senhor Jesus”, mas creio que também conseguiriam enumerar vários candidatos que poderiam receber o título de “seguidor de Jesus”, ou “procurador de Jesus”.

Contudo, posso apostar todos os meus ideais para defender que nenhum deles sequer chegaria a pensar no “meu candidato”.

Antes de nomeá-lo (até com certa repugnância e inquietação), vou expor as bases do meu pensamento. Acredito que alguns irão concordar; outros indubitavelmente irão me odiar.

Leia atentamente as seguintes características do candidato a novo messias, e veja se não há uma concordância em vários pontos com as virtudes atribuídas à figura de Cristo: artista talentoso, de admirável inteligência, dominador notável das palavras, poderoso formador de opinião, conhecedor profundo de técnicas de expressão corporal e controle de público. Não obstante, adotou o cristianismo como sua religião “oficial”, pois contava com total apoio da Igreja Católica e seus membros deliqüescentes.

Mas nem só de qualidades é composto um “homem santo”, portanto enumero alguns “defeitos”: esse novo messias também foi (more…)

10/04/2008

Um Deus Distorcido

No dia dez de Abril de dois mil e oito, das dezessete às dezoito horas, através de um programa televisivo intitulado “Show da Fé”, respaldado pela Igreja Internacional da Graça de Deus, consegui compreender o significado para um verbo que realmente transita aleatória, porém constantemente, em qualquer pregação digna de um fiel e verdadeiro arauto cristão: o vocábulo “pecar”.

O “missionário” infiltrou direta e esmeradamente a idéia por trás da palavra nas frágeis mentes presentes: o verbo pecar, utilizado pelos copistas no livro Juízes (e em vários outros, é claro), significa “errar o alvo”. Para justificar seu uso, uma história narrada na seqüência do sermão demonstrava a recompensa obtida, em forma de apoio bélico divino, por “setecentos homens escolhidos, canhotos, os quais atiravam com a funda uma pedra em um cabelo, e não erravam” (ler Juízes 20:1-48). A tradução para “não erravam”, segundo o missionário, advém de “não pecavam (a mira)”. Certo, até então, nada fora dos conformes das regras gramaticais.

O que o missionário omitiu não foi o sentido gramatical do verbo, e sim o real significado acerca dessa história, o qual estava prontamente aceso em sua confusão de idéias (deve ser realmente complicado criar uma sinergia entre o impulso da fala ludibriante e a necessidade de conter eternamente no lado esquecido da razão o que realmente deveria ser dito). O pregador apenas falou que Deus (oh, senhor todo-poderoso e inexistente) necessita de pessoas realmente infalíveis, logo, que transcendam os limites físicos e psicológicos inerentes ao homem, barreiras essas de fato limitantes e certamente instransponíveis.

Não há muitas interpretações perante o fato. A mais sensata é que o missionário estava defendendo a materialização de um falso poder empíreo, numa (more…)

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.