Revendo a Religião

16/04/2010

Ser Cristão

Liberdade. Esse belo vocábulo é mais do que um agrupamento de letras, é uma filosofia de vida. O embrião da humanidade teve sua história primitiva baseada na liberdade, embora com o decorrer dos anos, o conceito intrínseco na palavra veio sendo diminuído até assumir a mínima proporção de ideal inalcançável. Embora a liberdade possa ser considerada por muitos um devaneio utópico, consegue ainda se fazer presente em uma das principais escolhas que o homem pode realizar durante seu período de existência: pode-se escolher continuar livre ou condenar-se por opção.

A lógica irrefutável fornece um caminho único, reto, plano, sem contradições, uma viagem confortável ao interior da mente humana para podermos localizar a essência do homem e dela obter as respostas às perguntas que frequentemente não temos paciência para responder. No interior da mente humana podemos encontrar a resposta para tudo aquilo que nos cerca, desde que tenhamos a placidez de exercitar a habilidade do questionamento. Assim funciona a ciência, onde não se tem a resposta de tudo, mas constantemente há a procura para preencher essas lacunas.

Somos seres privilegiados, mas devemos fazer por merecer esse privilégio. Exercitamos esse dom quando (more…)

14/10/2008

23/03/2008

O Preço da Morte

Nossa cultura nada mais é do que uma coletânea de informações oriundas de diversos povos e mentes, formulada através de infinitas combinações de idéias, as quais acabam sendo incorporadas como algo banal e corriqueiro, porém de valor inestimável e presença constante. Vários hábitos que hoje possuímos fixam suas raízes num passado remoto, como as danças, as comidas, os credos e as superstições.

Algumas situações enfrentadas no mundo hodierno possuem hoje um caráter místico exagerado em conseqüência de anos de transformações (e imposições) ocorridas em mentes despreparadas, constituites de sociedades que foram adaptando outras crenças e acatando novas correntes filosóficas, para, por fim, juntar tudo num mesmo palanque ideológico, idolatrado por muitos e discutido por poucos. A morte, por exemplo, é ainda considerada um tabu, uma vez que não vislumbro ninguém sentado em uma mesa de bar com os amigos para discutir a morte do vizinho: o falecimento é encarado como algo supremo, indiscutível, impassível de opiniões; um assunto impraticável, porém inquietante.

Por que não discutimos a morte? É uma questão difícil, porém tentarei responder de forma simplória, contudo, contundente: porque as religiões não querem que a morte seja discutida. O falecimento é a ponte imaginária que conecta um indivíduo comum a um ser celestial, de gritante bondade e incontestável inteligência (espiritual ou funcional). Se a morte fosse assunto de discussões, essa ponte imaginária simplesmente ruiria.

Qual é, então a desculpa utilizada por qualquer pregador quando algum indivíduo falece, independente de causa? Os sermões praticados por qualquer pregador religioso possuem um conteúdo parecido com este:

“Ora, assim quis o nosso senhor. Certamente, no céu, pessoas boas também são necessárias. Lá, poderão gozar do privilégio de sentarem próximas ao criador, assistindo de camarote ao seu triunfante governo”.

Alguém morre porque Deus assim quis, e ponto final. Ninguém morre de câncer, tuberculose, pneumonia, acidente de trânsito, infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral ou cirrose hepática. Essas patologias nada mais são do que um castigo divino, um bilhete de ida para o mundo dos céus, onde um Deus “piedoso” aguarda de braços abertos, a não ser, é claro, que você tenha que fazer um escala no purgatório (e, provavelmente, você não escapará dessa visita).

A morte é um fato, a única certeza absoluta na vida de qualquer indivíduo. Vivo hoje sabendo que um dia (more…)

25/02/2008

Um Mito Chamado Deus

Michel Onfray, filósofo e escritor francês, foi muito feliz ao escrever em seu “Tratado de Ateologia” que o homem fez de Deus seu espelho dotado da capacidade de formar uma imagem invertida. Para esse ente magnífico, foram atribuídas todas aquelas capacidades inatingíveis pelos humanos, tais como imortalidade, onipotência, onisciência, onipresença, infalibilidade e outros incontáveis adjetivos incompatíveis com a física e a psique humana.

Deus foi construído para dominar uma massa populacional com ritmo de crescimento exponencial, para fornecer uma forma de escape para as desilusões, frustrações, abdicações e, principalmente, para a ignorância, qualidade inerente e incorrigível dos fiéis religiosos.

Explicações extraordinárias para o que não sabemos são criadas desde os nossos nascimentos. Somos ludibriados com vários contos da carochinha; somos afastados do conhecimento primordial para entrarmos em contato com uma nascente de informações falsas, absurdamente impossíveis e amplamente difundidas; somos penalizados com a adoração eterna a um ser imaginário antes mesmo de termos consciência de quem somos.

Deus é uma comodidade, uma forma mais simples e direta de dizer que não se conhece nada além do que as igrejas e seus pregadores querem que seja sabido. É uma farsa, um fantoche, um oásis num deserto inóspito, habitado por vidas que juram ter encontrado a fonte rejuvenescedora, sagrada, mas que acabam se enterrando em areia movediça, afastando-se da luz da sabedoria. E a sabedoria não é simplesmente um vocabulário bonito, de difícil compreensão, ou a citação de famosos que sucumbiram há séculos, mas, também, a incorporação dos fatos cotidianos e a sua interpretação como algo necessário, porém banal, sem atributos divinos, toques celestiais ou moderações deíficas.

A criatura divina é uma forma de chegar mais rápido ao nada, é a construção de algo invisível, é o nascimento de alguém que não foi concebido. Várias religiões confeccionaram diferentes deuses, adequando-os aos seus costumes, mas sempre com o intuito de manipular os crentes, forçando-os, consciente ou inconscientemente, a fazer atos diversos para a obtenção de qualquer espécie de benefício, desde a agregação de novos territórios até o extermínio de mentes divergentes.

Guerras existem, enquanto que a paz é pura demagogia. Pessoas felizes existem. Pessoas perfeitas, entretanto, não. A força de vontade e a auto-sugestão são fatos, ao passo que os deuses são estórias.

Vi na televisão pessoas atribuindo a cura de suas “enfermidades” à intervenção divina. Senti-me enojado, pois, à medida que os pobres ingênuos narravam seus casos fantásticos, um “missionário” hipócrita sorria com descaramento, deixando escapar em suas feições um espírito de deboche e descaso revoltante. Porém, contraditoriamente, os “curados” só faziam agradecer ao “missionário” e ao Deus todo-poderoso. Além de estarem garantindo o certificado de ignorância-mor, esses fiéis acabam simultaneamente subestimando-se, diminuindo o poder de suas mentes (more…)

24/01/2008

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.